O Mundo Autista

Mundo do autista é o mundo real

Mundo do autista é o mundo real: foto do quadro de Di Cavalcanti danificado e a bandeira preta do Brasil escrita sem anistia.

Obra de Di Cavalcanti danificada é avaliada em R$ 8 milhões.

O mundo do autista é o mundo real. Assim, os últimos acontecimentos em Brasília tiveram uma repercussão cruel entre adolescentes e adultos autistas. A pessoa autista precisa de segurança, acreditar que a democracia vai respeitá-lo sempre e garantir seus direitos.

Entretanto neste fim de semana, aquele cidadão de se autointitulava de ‘cidadão de bem’. Um saldo lastimável, inclusive com o furto de iPhones, Macbooks, armas e lentes de fotografia (no valor de R$ 40 mil reais, só uma delas).

O valor total do prejuízo aos cofres públicos está sendo apurado pelos Três Poderes e pelo Tribunal de Contas da União (TCU). No Palácio do Planalto, Congresso Nacional e Supremo Tribunal Federal (STF), foram destruídas obras de arte, mobiliário, vidraças, equipamentos eletrônicos e diversos outros itens.

Mundo Autista e o mundo real

E agora? O cérebro neurodivergente constatou que a segurança foi falha, que os responsáveis por ela foram coniventes. Além disso, que a polícia agiu de acordo com interesses menores. Assim, para esse cérebro objetivo e lógico, nossa segurança é falha e vulnerável.

Perceberam? O autista não vive no seu mundo próprio. Ele observa e costuma ser mais detalhista que as pessoas típicas. Ele pode ser sensitivo também. Sentir a apreensão coletiva que toma conta de nosso país. Que as autoridades, legitimamente eleitas pelo povo, restaurem a ordem em nossa nação.

Não aquela ordem do governo passado. Isso mesmo, aquela que se seguissem o caminho do mito conheceriam a ordem, mas ao desviarem, bem…. vocês já sabem. E o progresso? O progresso só é reconhecido por eles se for o progresso para uma elite. Duvidam? Observem, pois, o perfil de quem invadiu as instituições em Brasília. E chequem quem financiou tudo isso.

A importância do Mestre

Aqui, no Mundo Autista, somos fãs do professor @mauricioguilhermesilvajr que nos lembra:

Diálogo é a arte de respeitar (e, portanto, amar) a poética discordante do outro.

Terrorismo é o mal a serviço de quem só se vê nas nódoas de seu espelho anacrônico.

Contra tais narcisos do escárnio – e seus cacos de dignidade –, que se cumpram TODAS as leis.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments