O Mundo Autista

Autista NÃO é tudo igual

Coleção Agatha Christie, DVD As Panteras e Coleção Arsene Lupin, hiperfocos de Selma Sueli Silva na adolescência.

Coleção Agatha Christie, DVD As Panteras e Coleção Arsene Lupin, hiperfocos de Selma Sueli Silva na adolescência.

Eu sei que autista não é tudo igual. Entretanto, há algumas condições que valem para muitos de nós. Por exemplo, nós, pessoas autistas, temos hiperfoco. Aliás, que podem ou não mudar ao longo do tempo. Entretanto, ainda assim, há sempre um que desperta um interesse maior. Quando temos uma família que sabe aproveitar essa característica em nós, podemos nos tornar ‘experts’ no assunto. O mesmo pode acontecer com educadores que passam a usar nosso hiperfoco como acesso à nossa curiosidade para outros assuntos.

É preciso entender a pessoa autista

Portanto, percebe-se que ao focarmos no autista e em suas habilidades, a construção de uma caminhada vitoriosa fica mais fácil. Embora, muitas pessoas ainda nos tratem como se autista fosse tudo igual, esse é o pior erro que se pode cometer. Aliás, cada ser humano é único, com potencial único, doidinho para se mostrar.

Contudo, como a comunicação não é uma das habilidades das pessoas que estão dentro do espectro, a família e os educadores muitas vezes, se rendem às generalizações sobre aquela pessoa. E então, qual a possibilidade do autista ‘dizer a que veio?’ É preciso conhecê-lo, conquistá-lo para, então, jogar luz em suas habilidades para que elas possam revelar todo o seu potencial.

Autista não é tudo igual e tem hiperfocos diferentes

Aquele padrão de que todo autista gosta de dinossauros, ficou na era desses seres extintos há séculos. Pode até gostar, mas não por regra. Afinal, meus hiperfocos sempre foram o suspense e a investigação. Assim, quando adolescente, li toda a coleção de Agatha Christie, além de ter lido também, nesta época, alguns livros de Maurice Leblanc, sobre Arsene Lupin – o ladrão de casaca.

A partir daí, somei à literatura, os filmes de suspense, investigação policial e as espiãs. Isso mesmo, no feminino, pois no final da década de 70, início dos anos 80, me encantei com a série ‘As Panteras’. Atualmente, séries que apresentam um desafio que requeira uma solução inusitada também me chama a atenção. Por exemplo, a série ‘Dr. House’, em que um médico (que até parecia autista) era aficcionado por descobrir diagnósticos que outros médicos não conseguiam desvendar.

Não ser igual nos leva a sermos criativos

Foram exatamente meus hiperfocos que apontaram a direção profissional que eu deveria seguir. Observem:

1. Sempre gostei de ler

2. A comunicação entre as pessoas me intrigava

3. Sou bastante curiosa

4. Amo investigar e descobrir ‘coisas’

5. Adoro anotar minhas descobertas, ou seja, amo escrever.

Logo:

Optei por ser Comunicadora Social, jornalista e relações públicas. E hoje, me sinto ainda mais feliz, com a tecnologia agregada à minha área. Assim, pude me reinventar como jornalista multimídia. E pensar que tudo começou lá atrás, com a curiosidade de uma garotinha que era muito curiosa, tinha muito tempo para ler pois não conseguia fazer amigos e, ainda assim, amava ‘gente’. A dificuldade para entender pessoas se transformou em minha maior habilidade: contar histórias de gente como a gente!

Selma Sueli Silva é criadora de conteúdo e empreendedora no projeto multimídia Mundo Autista D&I, escritora e radialista. Especialista em Comunicação e Gestão Empresarial (IEC/MG), ela atua como editora no site O Mundo Autista (Portal UAI) e é articulista na Revista Autismo (Canal Autismo). Em 2019, recebeu o prêmio de Boas Práticas do programa da União Europeia Erasmus+. Prêmio Microinfluenciadores Digitais 2023, na categoria PcD. É membro da UNESCOSOST movimento de sustentabilidade Criativa, desde 2022.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments